Que pena!

A pena que tenho de este ano estar a consumir todos os recursos das minhas abelhas para enxames é sem dúvida algo que me custa. Mas algo necessário. Equaciono até deixar o mel nas alças para raspar em início de Setembro e estimular novamente as colónias afim de que façam zangão mais cedo no Outouno. É que este ano aparenta vir a ser um dos melhores anos de mel, pois estamos a entrar no fluxo principal, e as poucas colmeias que deixei a produzir indicam isso.

A minha raínha Bengalas foi finalmente substituída por velhice e algumas outras colmeias fazem o mesmo, apesar de terem raínhas mais novas (é algo que noto, é que raínhas híbridas são mais frequentemente substituídas)

20 núcleos já encheram o 5º quadro, e são agora fonte de cria para as novas raínhas que iniciam postura por estes dias, esperando pois que no final do mês todos estejam cheios e equilibrados.

Ontem tirei amostras de varroa, e está a subir novamente com a cria de zangão em quantidade, pelo que assim que retire 3Q de cria e reservas a cada colmeia, todas levarão uma dose de fórmico a 65%.

Os enxames começam a aparecer timidamente, tendo recolhido 3 até ao momento (1 deles era meu). Entraremos no mês deles agora, prolongando-se a febre até meio de Junho. No ano passado o pico foi a 1a metade de Junho, tendo coíncidido com o pico das flores. Mas este ano se for normal, será na 2a metade de Maio.

Assima anda o Agreste!

Anúncios

Sobre abelhasdoagreste

Jovem, apicultor apaixonado e que comercializa inovação apícola.
Esta entrada foi publicada em Uncategorized. ligação permanente.

4 respostas a Que pena!

  1. Eduardo Gomes diz:

    Boa noite Afonso e restantes companheiros
    O tempo para escrever escasseia e o cansaço ao final do dia é muito e não me ajuda na escrita de algumas linhas. Relativamente ao ano ser um dos melhores dos últimos anos ainda me parece cedo para o prognóstico. Vamos a ver os próximos 15 dias. Contudo estou com uma meia-alça de avanço relativamente ao ano passado por esta altura, o que me deixa moderadamente optimista.

    A substituição mais frequente das rainhas híbridas atrasam a colmeia de forma significativa? Achas que as filhas vão manter as características que procuras estabilizar: mansidão e baixa propensão para a enxameação? Quantas vezes divides as tuas colmeias de forma a comprometeres de forma tão impactante a tua/sua produção de mel?

  2. Eduardo Olá!
    Sinceramente não sei dar algumas respostas.
    As substituições ocorrem agora mais frequentemente à entrada do fluxo e este foi o 1º ano em que deixaram de ocorrer em Março, o que era terrível para mim. Fazem-no com mestras de 1 ou 2 anos de idade, e em termos de genética não é um problema, pois daqui em diante e quer elas substituam ou não, eu colocarei todos os anos 1 alvéolo, retirando a raínha que lá estiver.
    Quanto ao impacto no mel, não faço a mínima idéia, pois o plano passa por ir retirando cria para aumentar o efetivo, tanto que muitas colmeias não passarão de 1a meia alça este ano, devido ao mais importante ser chegar ao inverno com 250 enxames. Mas prevejo que o impacto no mel seja baixo, pois deixam 1 ninho cheio de gado e por vezes 1a meia alça ocupada, sendo que assim que a nova mestra entre em funções, havendo gado, moral e poucas bocas a alimentar em pleno fluxo, suponho boa colheita (2 meias alças aqui é muito bom). Mas tenho 1a F2 que deixei produzir, e tem 4 meias alças puxadas e a trabalharem, que talvez não encha porque entretanto lhe tirei 5Q do ninho, 3 deles de cria.
    Mesmo o quantas vezes divido, não sei…vou roubando cria e reservas a cada 2, 3 semanas.

  3. Bernardino da Silva Gomez diz:

    Olá Afonso.
    Passas-te aqui ao lado e nada dissestes. nem um toque!
    Estou a brincar, quanto as tuas abelhas, se e´como dizes, são realmente boas, depois de sangrares os ninhos da maneira que falas ainda vais produzir mel.
    Estas no bom caminho, e eu satisfeito por conseguires alcançar os teus objectivos.
    Agora chegam as do kefuss, a ver vamos, como sabes aqui na zona é o fim da campanha, mesmo assim consegui ter quatros colmeias com sete meias alças, vão ser as minhas dadoras de machos no apiário de fecundação .
    Resta -me agora que o tempo melhore, para começar a cresta, e fazer trinta desdobramentos, para alcançar as cem colmeias, e os meus objectivos serão alcançados, pois não penso aumentar mais, e mesmo assim tenho muito que dar a perna.
    Mas o ditado e antigo, Quem corre por gosto não cansa.
    Abraço, e se poderes, vamos tomar um copo quando passares aqui.

  4. 7 meias alças Dino…Uau, isso é fantástico!
    Aqui 4 meias alças é o limite máximo que vi ser produzido.
    Uma colmeia normal dá 2as….
    Antes de Coímbra passei por um mato cheio de queiró e rosmaninho…ui, como gostava de ter um sítio assim.
    Passei aí sim, mas as 8 e pouco da manhã estava já em Paredes e ao regressar já cheguei a casa às 9 da noite. No próximo Domingo não levo o carro, deixo-o na Mealhada e vou de boleia.
    Apareça lá em Paredes!?
    É no antigo gimnodesportivo. Ao chegar à rotunda da casa do Benfica, vira à direita, depois novamente à direita e é logo ali!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s