As raízes…

Sinto-me por estes dias como uma planta em enraizamento, farto do meu vaso, louco para ser transplantado para o campo.

Por dentro regozijo-me com as regas que têm caído e tanta falta faziam…que venham mais algumas!!

Mas também no meu cerne está o sentimento de dias a crescer, de colmeias a crescer, de botões a inchar, de azedas cheias de campânolas…ai que cheiro a início do mais belo momento do ano!

No meu caso…a casa do pólen entrou uns dias em pausa e o meu enraízamento é mesmo uma semana de sofá, dezenas de horas de leituras apícolas no meu banco de cortiça, tratar das últimas faturas do ano que terminou e entregar us últimos grãos de pólen e frasco de oiro.

Mas o corpo pede outra coisa…e clonar umas alfazemas, uns salgueiros ou uns alecrins não lhe basta.

Treme a alma…inquieta-se o espírito. 1 ano mais velho por fora…o mesmo sentimento por dentro. Mais conhecimento, mais colmeias para cuidar…espero que o consiga fazer com menos trabalho.

As amarras devem ir embora com este frio, as colmeias mais pujantes pedem-me junto delas…dos piores apiários não quero nem saber…lidarei com eles depois, já com o carro atestado de núcleos. Inspira/Expira…conta os segundos um a um! O teu tempo de prisão está quase a terminar…

Saiam da frente!!, qual Lobisomens em noite de Lua Cheia…

A contagem decrescente para a época do Apicultor está lançada…e eles soltam-se antes do dia de São Valentim!!, seja na flor da amêndoa, alecrim ou salgueiro…Abram alas!!

Sobre abelhasdoagreste

Jovem, apicultor apaixonado e que comercializa inovação apícola.
Esta entrada foi publicada em Uncategorized. ligação permanente.

2 respostas a As raízes…

  1. José Marques diz:

    Olá Afonso
    Não falamos desde 21.12 2017 Manifestei, então, a minha concordância com o seu testo e hoje venho manifestar a minha total discordância com o título ” Os cidadãos…estão acima da Lei ” .
    Numa sociedade civilizada nada mais errado e ilegal do que colocar os cidadãos, ou um cidadão, acima da Lei. É verdade que há quem o faça, fraudulentamente, por conta própria e defraudando os cidadãos cumpridores da Lei. É contra isso que há justiça e que é preciso que ela se faça cumprir. Foi nesta parte que concordei consigo e estou certo que concordará, também, comigo, contra o título.
    Tenho acompanhado os seus passeios às abelhas, ao jardim e à horta. Tendo em conta o clima e a flora do seu Monte venho sugerir-lhe um novo projecto cumulativo para o Novo Ano. Terá reparado que tem, à sua volta, como plantas espontâneas Oregãos e Tomilho. Elas continuam a resistir às alterações climáticas. São melíferas e aromáticas A produção pode melhorar muito se forem cultivadas, sem grandes despesas. As abelhas agradecer-lhe-am. .
    Poderá fazer um estudo de mercado simples, junto das casas de venda de plantas aromáticas e divertir-se ganhando dinheiro. A sugestão é grátis e não tem que agradecer, porque não foi pedida.
    Quanto ao resto, temos andado distraídos com as festas e agora com a hibernação. A vida é só uma e curta, procuremos vivê-la, aproveitando todos os bons pretextos.
    Como o tempo voa talvez valha a pena perguntar, já,aos acompanhantes do Blog o que estão a pensar fazer para prevenir a enxameação, que será ,já, em Março e/ou Abril
    Saudações.

  2. Olá José,
    Desde já um abraço!!

    Quanto ao título, tem mesmo o objetivo de ter duas faces. Pois por um lado um cidadão nunca pode estar acima da lei numa Democracia, mas por outro a lei deve ser feita por forma a proteger todos os Cidadãos, daí eu afirmar que os Cidadãos quando sendo todos nós estão acima da Lei, pois a lei tem como único objetivo protegê-los e colocá-los em pé de igualdade…e se não o faz é então uma má lei, que tem de sofrer pressão para que passe a defender os Cidadãos em vez de alguns cidadãos. É nessa perspectiva que falo, e há imensos casos em que isso acontece. Enquanto vigora há que respeitar…mas pressionar para ser uma lei competente. A figura jurídica do desuso penso ser ainda válida…e que se aplica a montanhas de leis. Feitas mas nunca usadas.

    Nestes meus montes o tomilho não se dá de forma espontânea…já o orégão sim, cresce bem.
    Tenho tentado incentivar alguns conterrâneos a isso e à linda borragem, para a qual encontrava-lhes cliente, fornecedor de sementes, formação…mas nem mesmo assim!!

    Infelizmente neste momento não tenho tempo de sobra para as aromáticas, algo que adoraria, por compreender no caso dos orégãos como é fácil aqui…bastando em alguns locais da serra passar anualmente por esta altura o corta-mato e depois deixar 25% das cabeças por colher…e eles propagam-se sozinhos aos montões, desde que livres da concorrência do feno cabelo de cão.
    No entanto como ainda sou apicultor a solo e espero atingir este ano entre colmeias, nucleos e nucleos de fecundação as 700 – 750 caixas povoadas em permanência, junto-lhe a minha família e a horta…as obras da casa do pólen e as do apartamento. O que me sobra?

    Se houver agricultores interessados…aranjo-lhes locais com àgua abundante, abelhas para as flores e até armazém para as alfaias.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s