Porque tratar não basta!

Este é provávelmente um dos artigos mais longos e importantes que escrevo no blog no que à Varroa concerne. Tentarei explicar com algum detalhe o porquê de tratar às cegas não ser eficaz e o porquê de em diferentes zonas do país o mesmo maneio funcionar nuns locais e não funcionar noutros.

Comecemos pela base, e supondo 2as colmeias exatamente no mesmo estado na entrada do ano. Cada uma com 300 varroas, tendo sido tratadas em Agosto pela última vez. Mas uma delas está situada em “Leiria” a 6Km do mar e com 12 meses de reproducção. A 2a está em “Manteigas” a 900m de altitude e tem apenas 10 meses em reproducção.

Vejamos;

V10_1

A colmeia de Manteigas, por cada varroa que inicia o ciclo anual iria terminar o mesmo com 299 varroas.

Por outro lado, e como vemos no gráfico seguinte,

V12_1

Uma colmeia no litoral tem muitíssima maior dificuldade de resistir à varroa, com 1a varroa inicial a ser multiplicada por 1339.

Assim, e nada fosse feito, no final do ano a colmeia de Leiria teria 1339*300 = 401 700 varroas. Como é óbvio teria colapsado muito tempo antes!

Em Manteigas, 299*300 = 89 700 varroas fariam também colapsar a colónia muito tempo atrás. Mas é uma decalage enorme para o mesmo ponto de partida.

Assim, o apicultor de Leiria, como o de Manteigas, estão habituados a fazer 2 tratamentos por ano, tal como era recomendado anos atrás pelos colegas e pelo que ouvem dizer nas conversas de café.

Assim, ambos, durante o mês de março fazem uma aplicação dupla e  caseira de timol (exemplo), ficando descansados quanto ao tratamento!!

Temos de perceber que para as coisas serem sustentáveis, o número final de varroas tem de ser o mesmo com que iniciámos o ano…ou inferior!

O tratamento de timol de ambos reduziu em 75% o número de varroas…algo que parece aceitável!! e sendo uma suposição realista.

Vejamos;

Em Manteigas,

V10_2

Supondo que a colmeia seria crestada no final de Julho, deveremos ter na nossa colmeia 6000 varroas, o que para uma população de 30 000 abelhas pela cresta, será uma infestação de 20%, algo que poderá já ser demasiado tarde para algumas colmeias ou que pode causar o risco de colapso se o apicultor não tratar de imediato ou atrasar a cresta por algum motivo. Mas ainda salvará 80% das colmeias caso as trate pela cresta.

V12_2

O mesmo se passa em Leiria!

Direi que este tipo de maneio é muito comum em Portugal…

No caso concreto fica claro porque se dão tantas perdas de verão, sobretudo em anos em que o verão aperta cedo ou em que o apicultor se atrasa um pouco…ou ainda em que o tratamento de Primavera funcione menos bem!

Vejamos então o que ocorre no tratamento de cresta!! e ainda com o efeito de um desdobramento feito em Abril.

Portanto em Abril, ambos os apicultores retiraram 3Q de cria selada com as abelhas aderentes, sem levar a raínha e 1Q de reservas.

V10_3

V12_3

Podemos pois observar que apesar dos tratamentos serem feitos da mesma forma (com um homologado de amitraz pela cresta, vulgo APivar/Apitraz), o apicultor de Manteigas inicia o ano seguinte com 1200 varroas na sua colmeia, pelo que basta um ano com menos cria ou um tratamento um pouco mais eficaz para que esteja em equilíbrio.

Já junto ao litoral, em Leiria…, o mesmo maneio redunda em 6 000 varroas dentro da sua colmeia, não sendo de espantar que esta colapse durante o Inverno, pois este número de varroas num enxame que decresça a menos de 35 000 abelhas, ou que passe por um pequeno estio e deixe por isso de ter tanta criação, e é colapso na certa!!

Assim, podemos ver que tratar às cegas ou aplicar a mesma receita em diferentes zonas, redunda em resultados muito distintos.

É aqui que quero chegar, ao ponto de que um apicultor moderno tem de perceber estas coisas, como entender também a necessidade de nunca deixar subir a % de infestação bem abaixo do nível de Crash  da colónia.

Mais adiante, noutro dia de chuva…dedicarei um par de horas a fazer novo post sobre como cuidar as colmeias com recurso a diferentes técnicas. Espero que com este post vos ajude em algo!

Abraço…

 

 

Sobre abelhasdoagreste

Jovem, apicultor apaixonado e que comercializa inovação apícola.
Esta entrada foi publicada em Uncategorized. ligação permanente.

3 respostas a Porque tratar não basta!

  1. Martinho Ferreira diz:

    Boa tarde Afonso.
    Muito bom!

  2. Eduardo diz:

    Afonso na minha opinião daki por uns anos vai ser mais facil contolar a varroa. Digo isto pk grande parte dos apicultores ainda fazem td a antiga mts nunca viram uma varroa qt mais ter conhecimento do ciclo dela…
    Mas acho que ha luz ao fundo do tunel pk o pessoal mais novo ja procura mais informação. Enquanto um tratar e o vizinho ñ vai haver sempre reenfestação! Ja emaginaste se todos os apicultores de cada zona trataxem spr ao msm tempo… a reenfestação iria ser nais demorada…

  3. Malta…desculpem a resposta curta. Mas amanhã bem cedo já arranco de roçadora em punho para limpar mais mato. É agora que ganhamos um verão com menos sustos.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s