Lei do “Faz de Conta”

A lei Portuguesa é muito à frente…no setor apícola então é um must!

É PUV’s que passam a MUV’s para haver mais dinheiro ao barulho. É comparticipação de MUV’s que a meio de um Plano Apícola Nacional para o triénio é alterado na sua %.

É associações falidas a torto e a direito…que se tentam manter vivas agarrando-se a estas esmolas e em alguns casos obrigando os técnicos a assinarem papéis de recebimento e depois ficando com os seus salários pois o pagamento nem sequer é feito diretamente ao técnico e dependerá depois este de 3ºs para receber o que já lhe deveria ter sido pago.

É o Secretário de estado a falar sobre a pujança do setor..sem nunca ter extraído um Kg de mel e provávelmente não fazendo idéia sequer do processo de extracção de mel.

Mas vamos a mais um “tesourinho deprimente”,

Pois na Apicultura há laboratórios Nacionais, DGAV, GPP…uma série de instituições que gravitam em torno do setor, que sorvem boa parte do orçamento…mas que nem entre elas se entendem, quanto mais nos ajudarem a nós. Se não estorvarem já é um favor. E digo isto, sabendo que a culpa em muitos casos não é de quem lá trabalha, pois incluso em alguns casos são pessoas de valor e que dentro da teia burocrata que os amarra, fazem por nós o que podem.

Vejamos, para a DGAV, e apenas por interpretação própria, o Pólen é um produto transformado não passível de ser trabalhado em UPP.

Para o GPP, aparece como na foto abaixo que até outros produtos ou produtos que envolvem àlcool (própolis em tintura) se podem processar em UPP, sendo que neste caso a palavra processar tem um entendimento muito diferente da mesma palavra processar como esta é vista pela DGAV. (Estou de acordo com o GPP)

20200804_113215

Já para a UE e Governo, aquando de se fazerem projetos no âmbito do PDR2020, o entendimento não é explícito, mas é subsidiado e valorizada a implementação de equipamento que dá razão ao GPP…no entanto cabe à DGAV fiscalizar e dependerá a situação do apicultor de como tenha decorrido o “encontro romântico” ou a “noite de sono” do inspetor.

Porra!! Seria assim tão difícil sentarem-se todos à mesa?, ouvirem-nos e definirem uma forma uníssona, competente e nossa amiga de agirem?

Parecemos um País de Surdos Mudos, onde todos sabemos o que se passa, mas que quem manda e pode não tem interesse em ouvir, em mudar, em atualizar e em ajudar a que andemos para a frente. Mudar uma vírgula parece um pesadelo…querer fazer algo requer timings completamente absurdos.

Não chamo uma porrada denomes feios…apenas porque no meio desta teia a maior parte das pessoas são gente boa e capaz!! Mas em que o peso das entidades é inerte, e amarra…as estruturas parecem feitas de lodo.

 

Sobre abelhasdoagreste

Jovem, apicultor apaixonado e que comercializa inovação apícola.
Esta entrada foi publicada em Uncategorized. ligação permanente.

Uma resposta a Lei do “Faz de Conta”

  1. Adosinda Afonso diz:

    Acresce que a gente boa está amarrada à porra de não se poder na transformação de produtos agrícolas vislumbrar apoios para Melarias sendo apenas a “comercialização por grosso” abrangida. Ora porra! O que o jovem apicultor pretende é criar uma Melaria.
    Que grosseria estupidificante!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s